Parir Pra Rir

Parir Pra Rir

Não quero mais que você cumpra o prazo
Não espero mais que venha ou vá
Não aflijo mais que ouça ou que aceite
Tenho brio de alma encantada

A gente devia viver até morrer
Porque não viver mata ou faz chorar
E todo homem chora
Menos os covardes… em público

Em tempos de agendas cheias e palavras vazias
Os devoradores de sonhos se espalham pelo caminho
E as abelhas morrem ou fogem sem rumo
Porque um bando de humanos é de assustar qualquer nuvem de gafanhotos

Todas as balas deveriam ser doces
Todos os sonhos poderiam encantar
Todos os dias poderiam ser hoje
Pra quando antigamente chegar ter vivido o futuro

Meu caso passional com esse rock’n’roll
É saber escolher o recheio entre o cúmulo e o túmulo
E minha entrega sempre foi exagero para você
Que me desafina em dó maior

Então quero redescobrir os planos
E preciso então reinventar o sopro
Destransbordar meu nada faz parte
Do destravacar de arrepios

O filho não será mais nem menos
Que o filho de outro filho
Mas a melhor chance
De (me) fazer melhor

Anderson Ribeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.