Louva à Deus

Louva à Deus A gente tem muito pluralNão cabem eles em tão pequena singularidadeMas vou ali copiar uns neologismos de alguémÉ que já não me basto Cancelem as viagens ao espaçoHá universos inexplorados em nósOnde a melodia é solQue ilumina viagens em si Minha unidade engravidouAgora os sou, os pluraisQue me odeiem pelos outdoorsOu me…

História

História Fiz faculdade de tecnologiaSem saber pra onde iaPara cada zero tinha umQue não batiaNão com binárioNão se entendiaUm era sorteZero utopia Anderson Ribeiro

Esse Cara Velho

Esse Cara Velho O que você diz não contaE o que não me conta faz faltaSobram entrelinhasOnde está o todo? Quando você reclamavaDa distância analógica das cartasNão imaginavaA insobrevivível solidão digital O Desimbrolhimento é confusoArde nas impermanências Porque poesia se faz com linhas Que cloud’s beggars não sabem existir Anderson Ribeiro

Assassinado Pelo Autor

Assassinado Pelo Autor Era no desjejum beber pétalas E florir poemas pelo dia E mesmo quando comer não podia Vivia de si sem metas Era inteiro por ter companhia E de tão uno se dividia E de tanto criar Era cria Fora terceira constante Viu ser primeira distante Desfez os nós delirante Então assumi hesitante…

Minha Música

Minha Música Entre as mentiras que eu me conto A maior verdade É que era a música Que me fazia seguir Dela de cujo sopro vale a vida Tal qual segundo decisivo Denota fôlego guerreiro O que se faz contraditório Não por acaso o que trago Não obstante o equívoco Por não se esquivar do…

Bate um peito em meu coração

Bate um peito em meu coração Não acredito em metades Me apetecem os poros Soul adstringente Ainda que pese o medo O sonho Ainda que reze a sina Estranho Minha Palavra é escura O outro é o lume Rock Star O crepúsculo anuncia o verso O reverso está contido Livre para criar Preso pela neblina…

Pulo a Bula

Pulo a Bula Meu pai que ama doce Vai de café amargo E olhar sem aspas É que o futuro era melhor Quando ainda estava por vir A pressa é para que o sonho Ainda tenha motivos E… sabe?! O verbo no passado É o futuro da preguiça Por teimosia ouvi dizer Que orelhas fazem…

Desapego

Desapego Arrotava verde perfeito Mas sangrava amarelo absurdo Com face azul falsidade E branco nada a ver Era os outros nele mesmo Um tanto de cada e nada de si Casca enfeitada E recheio vazio Rimava sorte com risco Gozava ritos do próximo Sonhava céleres ganhos Pisava extensos desertos Dava a vida pela vaga Assustava…

Quanto Vale?!

Quanto Vale?! A sociedade é o crivo do Homem Mas amar é uma loucura que o mundo aceita Andar sozinho atrai pedradas Porque amar é uma loucura que o mundo rejeita Sou muitos mas matilhas me matam Qual é o caminho de volta? Às vezes é morrer antes de viver Eu ainda não sei do…

Menino Alforria

Menino Alforria Quando eu era criança me especializei, sem saber, em sonhar… só era! Hoje, troco a consciência pelas asas. Anderson Ribeiro