Capela Dos Sons

Capela dos Sons Uma voz segue a cantarSem saber de onde vemA vontade que alimentaEsse som que só faz bem Voz que canta aquece a almaSabe os tons e a direçãoDas pegadas que caminhamJuntos aos passos da canção Rimas roucas, frases loucasNo sentido da oraçãoMas diz tudo em notas poucasAos que escutam a canção Rimam…

Mais de Você

Mais de Você O sangue sofre em meu corpoAo rim finito descerNas pedras pelo caminhoQue teimam em aparecerPalavras sempre me faltamAo desenhar pra vocêA arte fala por mimMas emudece em seu ser E eu acabo me perdendo e te entregando o cara erradoE tiro o lume do seu rosto com o breu do meu pecadoE…

Lírica Fronte

Lírica Fronte Escrevo em nuvensE denoto conotatividadeSão pequenas hipérbolesSem reclames vocativos Desembrulho analogias paradoxaisCalejadas de neologismosCom a personificação da ironiaQue cabe solene em metáforas sujas Cada palavra é uma labutaLáudano é o sorriso bomSomando pequenas pazesVencemos enormes guerras Anderson Ribeiro

Ruído Guia

Ruído Guia O tempo espera e rege a nota pra acontecerO acorde exala o som que grita e te faz sonharO pulso rima distorções com estremecerE então mistura alma e corpo num só lugar E eu acabei encontrando um caminhoDe divertidas pedras que fazem rolarA multidão não te deixa sozinhoUma guitarra assim não te abandona…

Meu poema “Dia do Abraço” na interpretação de Lázaro Ramos

Meu poema “Dia do Abraço” na interpretação de Lázaro Ramos   Meu poema “Dia do Abraço” sendo interpretado pelo ator Lázaro Ramos na live “Nordeste Pela Vida”, uma iniciativa importantíssima do @projmandacaru que arrecada fundos para as vitimas do covid-19 naquela região. Dia do Abraço Quando ele vemÉ nó apertadoTipo sanduícheCom molho de sorrisos Quando…

Poema Em Terceira Pessoa

Poema Em Terceira Pessoa Eu falo de alguém que não se encontraÉ um poema das incertezasUma casa dos contosUm ensaio muito mortoDe onde se ouvem lágrimas aos cântarosE você presenteTão sua faceTão pereneSem estarEu espelho distorcidoEm retóricas improdutivasSomas que se perdemCantos que se estendemSem rimas ou encontros perpendicularesSe não dividimosNão somosSe não somamosQuem somos? Anderson…

Sonhos de Gaveta

Sonhos de Gaveta Guardei meus sonhos na gavetaLancei tranca reforçadaE previ chaves perdidasPara quando o amanhã for ontem Quantas canções eu fiz não seiMas já perdi poemas para a coesãoCom rimas de abundante sentido E fôlego de susto Todas lá bem guardadas agoraCom rangidos de dentesBruxismo de batatas assandoE ausente tesão Eram pois chama miúdaNão…

Limbo

Limbo Não ouço ecosHoje minhas palavras se perdemSem reverberaçãoNada as resvalaAs ditasAs não ditasAs futurasE as feridasOutrora outro soproEu assim meio sementeViço de broto intermitenteFlor e espinho em mesmo taloMeio Frida” e meio caloNão mais temo a morteA vida é que me mataSofro pelas articulaçõesAs minhasE as que nunca tiveVoltaram-se contra mimDevem também estar certasNão…

Esse Cara Velho

Esse Cara Velho O que você diz não contaE o que não me conta faz faltaSobram entrelinhasOnde está o todo? Quando você reclamavaDa distância analógica das cartasNão imaginavaA insobrevivível solidão digital O Desimbrolhimento é confusoArde nas impermanências Porque poesia se faz com linhas Que cloud’s beggars não sabem existir Anderson Ribeiro

Parir Pra Rir

Parir Pra Rir Não quero mais que você cumpra o prazo Não espero mais que venha ou vá Não aflijo mais que ouça ou que aceite Tenho brio de alma encantada A gente devia viver até morrer Porque não viver mata ou faz chorar E todo homem chora Menos os covardes… em público Em tempos…