Sonhos de Gaveta

Sonhos de Gaveta

Guardei meus sonhos na gaveta
Lancei tranca reforçada
E previ chaves perdidas
Para quando o amanhã for ontem

Quantas canções eu fiz não sei
Mas já perdi poemas para a coesão
Com rimas de abundante sentido
E fôlego de susto

Todas lá bem guardadas agora
Com rangidos de dentes
Bruxismo de batatas assando
E ausente tesão

Eram pois chama miúda
Não propagada
Andarilhas de trilhos esquecidos
E hálito protagonista

Não basta que se rasgue as folhas
Que o mau bocado mancha
Para além do futuro medieval
Há que se rever os cumes de bondade seletiva

Esculpa-me lânguido se quiser
Em seus olhos tão bastantes
Mas no final o que conta é com quantos delírios
A gente alegrou a nossa realidade

Agora procuro um repoema
Que me conceda fazer a boa
E me ensine que não desisto
Ser tesa

Anderson Ribeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.