Mais de Você

Mais de Você

O sangue sofre em meu corpo
Ao rim finito descer
Nas pedras pelo caminho
Que teimam em aparecer
Palavras sempre me faltam
Ao desenhar pra você
A arte fala por mim
Mas emudece em seu ser

E eu acabo me perdendo e te entregando o cara errado
E tiro o lume do seu rosto com o breu do meu pecado
E num clarão de pistas falsas o meu destino e o seu do lado
Surge o verso que desata o nó que havia o mal cegado

Palavras falam por mim
Você consegue entender?
A luta que habita em mim
Não quer o luto em você
E se pudermos ouvir
O que o outro tem pra dizer
Vou cultivar um jardim
Plantando mais de você

Anderson Ribeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.