Put The Body On The Boat

Put The Body On The Boat

O vazio é cheio de vontades
E pequenos eternos não duram mais que uma urgência
O alvo está marcado mas a mira titubeia
Valha-se da refração e duvide

Despeça-se do corpo e acenda a pira
Nenhum ritual dura para sempre
Bem ou mal o rio sabe o caminho
E, se rio, é pelas quedas que labuto

As tribos se matam
Mas quem morre sou eu
Sou o incêndio e a chuva
E nada pode agradar a todos

O melhor da vida hoje são ossos que retumbam
Portas abertas com martelo, bigorna e estribo
O ritmo espiral que alimenta os sentidos
A voz da sua próxima fala ou silêncio

Não seja quadrado
Ou a máquina voadora decola sem você
Tome seu assento ou parto avulso
Sentido 1970 para ouvir Ronnie Von

Anderson Ribeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.