Arranjo

Arranjo Vejo você me comparando àqueles ledos frios dias idos de carnaval Era pra mim o arranjo certo e a amarga dose que eu bebia entre o breu e o sol Os olhos que eu usava eram tão cegos mas eu lia suas frases rabiscadas em mim Eu trago e trago o gosto da cicuta…

Canção do Empoderamento

Canção do Empoderamento Dia desse me disse um outro Não é impossível, só inacreditável A ração do homem é o caminho A razão da sina é o espelho Cabe dá-lo a quem de direito O cabedal de quem te fere e forja A facilidade da complexificação O sangue que quente fere O dedo dado em…

Entre Pteranodontes e Insetos

Entre Pteranodontes e Insetos Quando chegar a minha vez eu serei vento E vou dividir o infinito em pequenos eternos Vou prestar contas de retalhos do passado Vou protestar, à máxima anuência de meus calos, o direito de tê-los Deles, o fiel da balança, é um beijo que dura um conto de fadas A história…

Errata

Errata A gente nascemos A gente observamos A gente aprendemos A gente imitamos A gente crescemos A gente sonhamos A gente queremos Mas a gente deixamos A gente esquecemos Que a gente pensamos A gente morremos A gente lembramos Que a gente pensamos Só então nós vivemos Anderson Ribeiro

Homem

Homem Antes Errante Procura Distante Aprende Plantar Cultiva Mandar Domina Se perde Se vende Se mede Entende: Recomeçar Anderson Ribeiro

Os Flashs de Anderson Ribeiro

Os Flashs de Anderson Ribeiro Por Vinícius Fernandes Cardoso  Interessante no livro Algozes (1999), do contagense Anderson Ribeiro, é o texto de abertura “Viver, ou viver?”: “Este livro é, na verdade, uma ridícula carta de amor (…)” “É também uma crítica libertária, uma vontade, através da poesia (em todas as suas formas de manifestação) de…

Panfletário – Entrevista Virtual com Anderson Ribeiro

CONTAGEM_ JANEIRO/2004 ENTREVISTA VIRTUAL COM ANDERSON RIBEIRO DA RUA DAS ACÁCIAS o autor de Algozes concedeu entrevista via e-mail ao panfletário cujo QG encontra-se avizinhado à rua Mulungu, no bairro Cidade Jardim Eldorado, localidade que terá um Parque Ecológico à rua das Paineiras, onde reside o poeta das essências Kennedy Cândido. Sem negar as sombras…

Carne Poética

Carne Poética Num piscar de olhos Começa uma nova manhã E ainda que as pérolas Tenham as cores do arco-íris Cá estou Procurando a que falta para irisar meu dia. Sempre faço declarações de amor efêmero Para sempre recomeçar. Sou o presente E você… deixa para depois. Não te peço que vá, senão que fique…

A Cena Rock da Contagem das Abóboras

Matéria do jornal Folha de Contagem feita pelo Victor Machado sobre a cena rock da cidade da qual eu tive enorme orgulho de participar.  Acesse este link para ler a matéria completa! Também saiba mais sobre a Conexão Contagem Alternativa e a cena rockeira da cidade.

Wait For Me

Wait For Me Entre recantos e o céu dramático Acho riscos e nuances e me atrevo a cantar Entre ladeiras e esperas infindas Eu me encontro e padeço mesmo em qualquer lugar Se são colinas eu avanço bem alto E o salto quase sempre penso bem devagar Mas nos abismos eu contemplo por cima Me…