Rito

Rito

O que eu não canto eu desejo
O que eu não vivo eu ensejo
Pelo que eu não morro eu festejo
Para o que eu não tenho voz eu revejo
Os agudos que me faltam eu gravo
Os graves que me cabem eu grito
Os sons que me forjam não ouço
Minhas rimas pobres despejo

Anderson Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.