Minha Música

Minha Música

Entre as mentiras que eu me conto
A maior verdade
É que era a música
Que me fazia sonhar

Dela de cujo sopro vale a vida
Tal qual segundo decisivo
Denota fôlego guerreiro
O que se faz contraditório

Não por acaso o que trago
Não obstante o equívoco
Por não se esquivar do afago
Não se abstém desse abrigo

A resposta do fígado não serve ao amor
É sua antítese que transforma bílis em suco de maçã
Sejam os ouvidos escudos do coração
Os que batem duro são surdos

A gente pode não ver o monstro sem um lago
Porque reflexos não empoderam cegos
As histórias recontadas ocupam o limbo
De quem nunca se fez voz ativa

Mas o outro não é o mal
O mal é não ser o outro
A igualdade está nas diferenças
Viver é querer que viva

Mas quanto mais por ela mais louco eu sou
Mais longe estou
De saber
Se vôo

Anderson Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *