Dúvida Que Dá Nos Nervos

Dúvida Que Dá Nos Nervos

Sabedoria é preservar algumas dúvidas
Aquelas que te fazem, nas horas desamanhecidas,
Acertar na escolha entre o silêncio e o grito
É honrar o mito da completude do ser
E só ser
Assim mesmo, ignorante
Pois calar faz parte do estrondo
Está lá
Pode procurar no início e no fim
Procure também nas entrelinhas do enquanto
Que é filho do passado
E retoricamente pai do futuro
Inclusive o enquanto
Quando passa
Leva junto a vontade com seus efêmeros infinitos
Micropartículas de tempo
Leva os poemas para invadir o Alasca
Seus gadgets inúteis
Que ensinam que o apêndice é o limite da arte
E mata por não fazer sentido
A dor é o grito inaudível
É o primeiro refúgio da solução
É o cabo do desconhecimento
É, antes do súbito, a oportunidade
A dor é dúvida e certeza
É o silêncio com atitude
É o caminho em que o corpo demonstra suas dúvidas
Sabedoria é preservar algumas dúvidas

Anderson Ribeiro