Ébria Oração

Ébria Oração

Todos a bordo
Menos meu norte
Transbordo ausências evitáveis
Não pra mim
Eu sou mutante sempre igual
Inventor de paradigmas invisíveis
De lucidez só tenho a barba
Mas hoje mudei o desenho
Ontem também
É assim porque sou muitos
Todos desconhecidos
Nenhum me cabe
Nada me liberta
Só o canto
Mas este não conta
É descartável, me disseram
Drama orgulhoso que não mata
A não ser no meu caso
Que sou sarcástico
Nada amistoso
Que espera mais que o possível
Mais que o que se pode contar
Melhor parar
Abster-se de esmolas
Como ouvi de quem contei
E desses a dor foi maior
Por isso sou rito sem proclames
Já que explicar não é meu forte
Já que as palavras me traem
Sempre foi assim
A vida entre os dedos
É saldo que vejo impotente
Sem me orgulhar das lamúrias
Sem um exército de anticorpos
A não ser os do meu corpo
Mas estes receberam o recado errado
Fogo amigo que acelera o processo
Trombetas onde queria guitarras
Distorções diferentes de minha escolha
Volumes irregulares e notas que faltam
Palavras solitárias e sem ritmo
Delírios sem destino
Sem destinatário, principalmente
É só uma oração
Daquelas de quem não sabe fazer
Daquelas que se faz em silêncio
Me acostumei assim
Estou espinhos
Quero ser luz

Anderson Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *