Das primaveras, dos verões, dos outonos, dos invernos, e dos dias em que a alegria me bastou

Das primaveras, dos verões, dos outonos, dos invernos, e dos dias em que a alegria me bastou

Meu maior limite é o medo
De quem é muito covarde para ser feliz

Anderson Ribeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.