Das primaveras, dos verões, dos outonos, dos invernos, e dos dias em que a alegria me bastou

Das primaveras, dos verões, dos outonos, dos invernos, e dos dias em que a alegria me bastou

Meu maior limite é o medo
De quem é muito covarde para ser feliz

Anderson Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *