Dicotomia

Dicotomia

E eu que não queria ser dono de nada
Tenho que tomar conta de um mundo
Adornos de minha poesia pragmática
Esses castigos de matemática
Redenção não é meu forte
E hoje só sonho por esporte
Assisto meu túmulo que jazz por mim
What I can do for him?
Aquele meu eu
Este meu blues
Minhas pegadas
Destes meus shoes
Deles a lama se esgota em poemas
Se sujos ou alvos disfarçam o tema
Receio sentidos
Esboço acréscimos
Desabam perdidos
Meus ritmos péssimos
Onde menos é mais
Cabe somente o que arde
Cabe a veia estufada
Sobra a veia covarde
Meus motivos são poucos
Minhas verdades destoam
Sonhos que agora são roucos
Pelos efêmeros pássaros que agora voam

Anderson Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *