Contrapartida

Das horas dos meus dias
Dos tempos dos meus tempos
Dos mesmos desencontros que eu enfrento
Dos raros semelhantes
Dos bravos desafetos
Da polis que eu deixo pros meus netos

O que você faz quando não está reclamando?
Tire o carro da contramão e pague o plano
Não peça ao amigo, não fure comigo
Tome a fila e espere a vez que for contigo

Das valas que cavo
Dos anos que eu perco
Dos sonhos que alimento sem aperto
Das provas que eu passo
Dos beijos que eu me amarro
Dos filhos meus que deixo sem um trato

O que você faz quando não está reclamando?
Tire o carro da contramão e pague o plano
Não peça ao amigo, não fure comigo
Tome a fila e espere a vez que for contigo

O que faz de cada um ser
O que cabe a cada um é
O desejo de fazer do jeito certo
Não é fácil ser melhor mas
Não precisa ser pior
Mas vale o sono bom que a insônia dos espertos

Anderson Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *