Sono

Sono

Vêm-se os anos
Vão-se os sonhos
Marcas e lembranças
Da decepção de ter sonhado um dia

Se o rosto lúcido esconde o medo
Além do tempo que o separa da pureza
Uma criança se torna
E toma uma canção de amor para si

Sonha a verdade de seus sonhos
Que alguém vê e abre-lhe uma porta
Ultrapassável e duvidosa

Atrevido e esperançoso ele vai
Com seu menino adormecido
Que sonha… e sonha…

Anderson Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *