Liturgia

Liturgia

Eu preciso escrever um poema sobre espaçonaves
É urgente!
Porque de todos os temas poéticos
As espaçonaves são o que mais me emociona
Falam de luzes, de tempos e de viagens
O tema da minha vida é o caminho das distâncias
São espaços preeenchidos por lumes e breus
Alternâncias de memórias do que já houve
Explosões em temperaturas cósmicas
Gelo e fogo e desenhos improvisadamente métricos
Instantes e hiatos
Tempestades de matéria e vácuo
Temas inglórios para pesquisas cegas
Sondas famintas de registros obstétricos
A liturgia das torrentes de vontades
Dos desejos de origens e dos fins
Das galáxias imponderáveis e semânticas
Dos sonhos descabidos de futuros inimagináveis
Eu preciso escrever poemas sobre espaçonaves
Não me importa ainda a passagem
O que quero agora é a estrada das estrelas
Das luzes que elas deixam no rastro
Do caminho até chegar aqui
Do passado que elas nos contam
Provar que o som se propaga no vácuo
Vazio é o sono
Escuro é o conforto
Wake up!

Anderson Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *