Pipocas

O homem cala
E a vida lhe sorri.
Não há mais tempo para as brincadeiras infantis.
À labuta do corpo bastaram-lhe as últimas forças.
Vieram cortejar-lhe os amigos.
O último passeio
Rumo ao último destino.
Carregam-no nos braços os amigos.
Calado, dizendo a cada um em tom bravio.
Palpitando em suas mentes
Uma virginal clareza,
Explodindo em seus sentidos
Como pipoca doce.
Entregando-lhes um sorriso
Em sua última homenagem…
Póstuma.

Anderson Ribeiro

Poema publicado pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores na “Antologia de Poetas Brasileiros Conteporâneos” número 23.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *