Bigode Branco

Velho senhor, sem nada.
E o nobre doutor,
nada…
Por enquanto.

Anderson Ribeiro

Poema que conversa com o do colega Zino Mendes, que começou a prosa(?) assim:
Por um fio de bigode.
Velho senado, senhor.
Triste cena,
dor…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *