Bazófia

Bazófia A bazófia urgia ser ressudocada É que o intangível abrange as metáforas industriais A ordem é beber o leite da laranja Porque ao que se colhe Cabe modificar o comportamento pernóstico Ganhar a liberdade da eloquência Deve ferrar com a distopia improdutiva Bradar Torpezas e vilezas temidas Soma falar simplesmente a dinâmica do dia…

Smart Mixirica

Smart Mixirica Até a natureza santa É maleável e brilha Quando a trilha É colher o que se planta! Anderson Ribeiro

A Passagem Secreta

A Passagem Secreta Morrer de amores por Adélia Prado Ou de horrores por não ter tentado Ou de véspera no feriado Old scotch amargo e não dosado Beber um gin enquanto ouve Morrison Cruzar a ilha tal qual Mr Robinson Servir de mártir para Mcfly Morrer num verso em que a rima não sai Achar…

Legado

Legado – Pai, o que é realidade? – É uma terrível máquina de cortar asas, Filho! Anderson Ribeiro

Sintonia

Sintonia Felicidade deve ser conhecer Pessoas tão ridículas quanto a gente mesmo. Anderson Ribeiro

Tetra Pak

Tetra Pak Poesia De caixinha Não vale. Anderson Ribeiro

Caso Clínico (?)

Caso Clínico (?) Entrou em crise Completa crise Depois da guerra Tava gordo Queimaram-lhe os excedentes Além de outras maldades Coitado! Romperam-lhe o eixo Cortaram-lhe os pés Não sei: Entrou em crise Subiu bem alto e pulou Não morreu e entrou em crise Caso grave com o café Devia ver um psicólogo Anderson Ribeiro

Poema Flor-Da-Vida (Ou Da Morte)

Poema Flor-Da-Vida (Ou Da Morte) Chagar-se com espinho dessa flor É morrer o canto É se bastar, por um instante, na própria vida É nessa, onde éreis vivo, ser morto Anderson Ribeiro

Soma

Soma É de alegria que vivo Meu instante se perpetua efêmero A felicidade é póstuma Anderson Ribeiro